domingo, 26 de julho de 2015

solidão

solução para a solidão: fique só. sabe por quê? porque a solidão não tem solução e nem é bom que tenha. e também porque só a solidão faz entender a alegria da solidão como o orto da companhia.

domingo, 19 de julho de 2015

sorvete

uma liberdade trágica, trôpega, quase ruim de tão boa, pode estar em escolher, no supermercado, o sorvete que, antes, você nunca teve coragem de pegar.

quarta-feira, 15 de julho de 2015

coisas

quem diz "mas as coisas são assim! o que se há de fazer?' não entende que as coisas são assim por causa de quem diz que as coisas são assim. as coisas não são nem não são. as coisas, coitadas, nem estão interessadas nisso.

quarta-feira, 8 de julho de 2015

etimologia

a etimologia é a memória amante da língua. são as palavras em estado de nascimento, próximas das coisas, menos marcadas pelas abstrações que as submetem a megalomanías ideológicas e pessoais. ainda concretas, elas, amorosamente, se conectam umas às outras e nos expandem para mais sensações e menos pensamentos.

quinta-feira, 2 de julho de 2015

urgência

é urgente. urge que seja. tudo urge, urra, vocês não ouvem o chamado das coisas urgindo? elas estão falando: vão! e nós estamos olhando, ouvindo surdos e falando calados, mas parados. perdemos a urgência do chamado para a urgência dos compromissos. é urgente, ouçam!

sábado, 20 de junho de 2015

alegria

a alegria, como quando ouvimos a voz das coisas - a planta que viceja, o bolo que cresce, o ar que rumoreja - é quando o corpo diz mais do que as palavras. as pernas querem mexer, as mãos bater, o peito avançar, os olhos procurar e as palavras, tímidas diante de tanto sentido, só sabem ahs, ihs, ohs e uhs. alegria é quando as palavras emburrecem.

sexta-feira, 12 de junho de 2015

glamour

glamour e gramática têm a mesma origem: gramaris, que significa encantamento, magia. isso porque quem domina as regras do sistema possui, certamente, conhecimentos mágicos. é claro. a magia é ter total maestria sobre as regras, de forma tal que elas pareçam não existir. glamuroso é um gramático, no final das contas. nada mesmo é tão charmoso quanto saber o que é uma oração reduzida de infinitivo e não parecer que se a sabe.